Velha mídia brasileira burguesa (VMBB): Os barões da mídia

A Internet nos proporcionou criatividades para vermos a mídia brasileira de maneira mais crítica e sob outro olhar

Um exemplo de mídia eletrônica, onde se faz críticas de maneira irreverente é o blog do jornalista e apresentador de televisão Paulo Henrique Amorim. Em sua página com nome bem sugestivo de Conversa Afiada, ele  faz críticas políticas e sociais de maneira bem-humorada; muitas das vezes pagou caro por esse seu humor. O jornalista inventou uma sigla sugestiva para criticar os barões da mídia: PIG (Partido da Imprensa Golpista). Paulo Henrique Amorim foi a dor de cabeça durante as eleições de 2010, não somente para os políticos como também para velha imprensa brasileira.

Graças a essas mídias alternativas, como o Conversa Afiada, Fazendo Media, o Escrevinhador ( Rodrigo Vianna),Vi o mundo ( Luiz Carlos Azenha) e outros sites progressistas, impedimos nas últimas eleições para presidente  da República um golpe baixo contra o direito de escolha do cidadão: uma manipulação orquestrada pelos GAFES ( Globo, Abril, Folha e Estado de São Paulo). Todos esses apostaram numa virada de última hora de seu candidato José Serra contra Dilma Rousseff.

Em era de redes sociais, não basta manipular e sim mostrar os fatos e a verdade.  A Velha Mídia Brasileira Burguesa (VMBB) está tendo de ficar atenta com a Internet, seus blogueiros e militantes.

Por isso, com permissão de todos os blogueiros progressistas quero lançar uma nova sigla para definir os barões da mídia. Chama-se VMBB (Velha mídia brasileira burguesa). Queremos usá-la quando for necessário. Criticá-la quando houver cheiro de manipulação, para então defender os direitos do cidadão e da democracia. Basta de tantas mentiras, para que seja feita a vontade desses barões que mandam e desmandam no país. Queremos contar com a participação popular, ouvir a voz da periferia, fazê-la ser participativa nas decisões de sua comunidade, cidade e país.

Graças a Internet e suas redes sociais, podemos expressar as nossas opiniões. Com todos esses avanços, os blogueiros progressistas sofrem pressões de políticos incomodados com suas publicações. Recentemente o livro Privatizaria Tucano, do jornalista Amaury Ribeiro Jr. foi ignorado pela VMBB. Os barões da mídia fizeram um boicote em seus principais veículos de comunicação, poucos ousaram publicar uma página: ou quando comentavam, diziam que o jornalista era cria do governo e do PT. Porém, os blogueiros sujos, como mencionou uma vez José Serra, não perderam tempo e divulgaram o livro pelo Facebook, Twitter e demais redes da Internet, o que levou a uma enorme procura do livro nas livrarias, mostrando assim todas as podridões e roubos de nossas estatais.

A VMBB e seus barões estão colocando suas barbas de molhos, não porque estão desaparecendo e sim por quebra de hegemonia e falta de credibilidade. Antes era ouvir rádio, ver um telejornal ou ler um periódico e estava tudo certo. Agora podemos dizer tudo pela Internet.

Queremos uma mídia plural. Basta de mentiras e manipulações para agradar fulano ou beltrano. Ao mesmo tempo, não queremos censura,um atraso para todos nós.

Peço a todos os leitores e blogueiros que nos ajudem na divulgação dessa nova sigla. A benção a todos os blogueiros progressistas!

VMBB_  VELHA MÍDIA BRASILEIRA BURGUESA,ESTÁ NA ATIVA!

(*) Fábio Nogueira é militante da Educafro. E-mail fabionogueira95@yahoo.com.br

Fábio nogueira é estudante de história da universidade Castelo Branco e militante da Educafro. Contato: fabionogueira95@yahoo.com.br

2 comentários em “Velha mídia brasileira burguesa (VMBB): Os barões da mídia

  1. Excelente texto, só faria uma ressalva: pelo que lembro, quem criou o termo PIG foi o deputado Paulo Teixeira, mas o PHA com certeza foi o principal responsável pelo sucesso da sigla.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>