Cultura

Intérpretes do Brasil

Intérpretes do Brasil: Clássicos, rebeldes e renegados

Intérpretes do BrasilPor Lincoln Secco e Luiz Bernardo Pericás (orgs.), Boitempo Editorial

“Clássicos, rebeldes e renegados” é o subtítulo de Intérpretes do Brasil, livro que os professores de História da USP Luiz Bernardo Pericás e Lincoln Secco organizaram para traçar um amplo panorama do pensamento crítico político-social brasileiro dos séculos XX e XXI.

São ao todo 27 estudos e ensaios escritos por reconhecidos especialistas acadêmicos que se debruçaram sobre a vida e a obra de alguns dos principais intérpretes da história e da cultura no Brasil.

“Acreditamos que este livro é um aporte importante sobre vários intelectuais emblemáticos e suas teorias. Para isso, pudemos contar com a generosa colaboração de diversos estudiosos que se dispuseram a escrever sobre esses pensadores do Brasil”, enfatizam os organizadores.

Para o historiador Herbert S. Klein, professor emérito das universidades de Columbia e Stanford, o volume a ser publicado pela Boitempo constitui um manual básico para os estudos de história intelectual e da história moderna do Brasil. “A coleção de ensaios Intérpretes do Brasil representa um guia fundamental para o entendimento dos mais influentes pensadores brasileiros do século XX”, afirma.

Os autores escolhidos compõem um amplo e rico panorama dos pensamentos social e historiográfico nacional da década de 1920 até o começo dos anos 1990, alguns dos quais muito pouco discutidos em outras obras do gênero. A seleção traz alguns pensadores já clássicos, mas em abordagens inovadoras, como Antonio Candido, Caio Prado Júnior, Celso Furtado, Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda, entre outros representantes da intelligentsia nacional.

O mérito maior da obra, no entanto, é que os organizadores também trazem para o centro do debate figuras que estavam de certo modo à sombra, a despeito de seu importante papel histórico. Entre os renegados, normalmente esquecidos como pensadores do Brasil, ora por não se enquadrarem nos cânones, ora por serem contrários à abordagem majoritária, estão homens pioneiros como Octávio Brandão, Heitor Ferreira Lima, Astrojildo Pereira, Leôncio Basbaum, Rui Facó, Luís da Câmara Cascudo e Everardo Dias.

Também são contemplados autores mais “novos” e menos compendiados, como os heterodoxos e brilhantes Maurício Tragtenberg, Jacob Gorender, Ruy Mauro Marini, Milton Santos, o laborioso Edgard Carone e ainda personalidades da importância histórica de Paulo Freire e Ignácio Rangel.

Como lembra o historiador Carlos Guilherme Mota, na orelha do livro, cada geração analisa e “redescobre” o Brasil, interpretando o processo de nossa formação dentro das condições e debates de sua época, porém poucos vão além, como fizeram os organizadores Luiz Bernardo Pericás e Lincoln Secco.

“Verifica-se nesta obra uma significativa abertura de foco dos estudos sobre o pensamento brasileiro, não apenas em termos geracionais como também na variedade de visões teóricas e abordagens pronunciadamente ideológicas”, afirma Mota. “Este livro, portanto, vem ampliar de modo crítico e significativo os horizontes e o debate histórico-historiográfico nesta quadra difícil de nossa história, tão marcada por ambiguidades, desacertos e, já agora, também por profundas revisões para uma retomada rumo a um futuro melhor.”

SUMÁRIO

Octávio Brandão, João Quartim de Moraes | Heitor Ferreira Lima, Marcos Del Roio | Astrojildo Pereira, Antonio Carlos Mazzeo | Leôncio Basbaum, Angélica Lovatto | Nelson Werneck Sodré, Paulo Ribeiro da Cunha | Ignácio Rangel, Ricardo Bielschowsky | Rui Facó, Milton Pinheiro | Everardo Dias, Marcelo Ridenti | Sérgio Buarque de Holanda, Thiago Lima Nicodemo | Gilberto Freyre, Mario Helio Gomes de Lima | Câmara Cascudo, Marcos Silva | José Honório Rodrigues, Paulo Alves Junior | Caio Prado Júnior, Luiz Bernardo Pericás e Maria Célia Wider | Edgard Carone, Marisa Midori Deaecto e Lincoln Secco | Florestan Fernandes, Haroldo Ceravolo Sereza | Ruy Mauro Marini, Guillermo Almeyra | Jacob Gorender, Mário Maestri | Antonio Candido, Flávio Aguiar | Celso Furtado, Carlos Mallorquín | Rômulo Almeida, Alexandre de Freitas Barbosa | Darcy Ribeiro, Agnaldo dos Santos e Isa Grinspum Ferraz | Mário Pedrosa, Everaldo de Oliveira Andrade | Maurício Tragtenberg, Paulo Douglas Barsotti | Paulo Freire, Ângela Antunes | Milton Santos, Fabio Betioli Contel

Orelha: Carlos Guilherme Mota

Mais da seção Cultura