......................................................... POR UMA CPI NA MÍDIA
A CAIXA-PRETA DAS CAIXAS-PRETAS

 


Jornalistas sofrem perseguição política na TV Globo
Leia aqui os bastidores das demissões, das ameaças e da reunião de Ali Kamel, diretor de jornalismo, com editores do Jornal Nacional num hotel onde a diária não sai por menos de R$ 600,00. E veja também onde o oligopólio da mídia entra nessa história.

O avanço da censura na TV Globo
"Será que os irmãos Marinho têm total consciência do papel nefasto dessa nova direção de jornalismo?", pergunta o ex-repórter da Globo, Rodrigo Vianna, em entrevista exclusiva.


POR TRÁS DA TELA
Abril de 2005.

Já que a rede avassaladora transmitirá sua verdade única a milhões de brasileiros, cabe aos veículos alternativos o contraponto. A começar explicando a verdadeira idade desta velha senhora. O fato é que a Globo não tem apenas 40 anos, "idade da loba", como definiu uma sorridente Cristiane Torloni no Jornal Nacional desta segunda-feira (25/4). A questão é que revelar sua própria idade implica, nesse caso, algo mais do que assumir as rugas. Vejamos esse trecho do livro A história secreta da Rede Globo, de Daniel Herz: "No ano seguinte, em 1962, a Globo assinou com Time-Life dois contratos e passou a ser subvencionada por milhões de dólares".

A Globo foi montada com US$ 6 milhões de dólares, enquanto a maior emissora da época, a Rede Tupi, havia sido construída com US$ 300.000,00. Os contratos firmados com o grupo Time-Life resultaram numa CPI que não foi muito longe e não chegou a resultados concretos, embora o acordo violasse a Constituição do Brasil. Sobre o grupo Time-Life, o então deputado João Calmon disse: "é um grupo da linha mais reacionária e mais retrógrada do Partido Republicano, exclusivamente interessado em manter, em países como o nosso, bases anticomunistas" (A História Secreta da Rede Globo, página 93).

De fato, o chamado 'perigo comunista' estava em moda na época. Ocupavam o lugar que hoje é ocupado pela 'ameaça terrorista'. E tanto no passado quanto no presente, os meios de comunicação da mídia grande jamais se preocuparam em contextualizar essa temática, optando por reproduzir, sem questionamentos, o discurso dominante. Nesse sentido, o escritor Roméro da Costa Machado, autor do livro "Afundação Roberto Marinho", vai ainda mais longe e afirma, em um de seus artigos que se encontram logo abaixo, ser um erro analisar o contrato da Globo com a Time-Life simplesmente como um caso de violação à Constituição:

- O escândalo Globo/Time Life não é meramente um caso de um sócio brasileiro (Roberto Marinho) que aceita como sócio uma empresa estrangeira (Grupo Time-Life), contra todas as leis do país. O escândalo Globo/Time-Life é mais do que isso. É antes de mais nada um suporte de mídia que visava apoiar, dar base, sustentação e consolidar a ditadura no Brasil, apoiada e supervisionada pela CIA, por exigência dos Estados Unidos, comandado por terroristas da CIA, como Vernon Walters e Joe Walach, sendo este último com emprego fixo na Globo, como "representante" do grupo Time-Life.

No momento em que a Globo tenta reescrever a história lançando livros e organizando uma festa que promete se alongar durante uma semana inteira de modo a tentar convencer o público de que em sua existência não existem pecados, é importante não deixar que todas essas luzes ofusquem o olhar. Não podemos nos esquecer que a Rede Globo nasceu e se criou em meio a troca de favores com a ditatura apoiada pelos EUA; não custa lembrar da manipulação grosseira, em 1984, por ocasião das manifestações pelas "Diretas Já" ou ainda aquela edição, em 1989, que favoreceu Fernando Collor. E esses são apenas alguns poucos casos. Os que ficaram mais famosos em meio a tantos outros.

Por tudo isso preparamos este Especial Globo com o intuito de constituir uma fonte de consulta segura sobre a verdadeira história dessa empresa. De início, onze artigos de Roméro da Costa Machado, que trabalhou durante dez anos na Fundação Roberto Marinho, alcançando o cargo mais alto da Fundação, o de controller, e também o posto de assessor especial de José Bonifácio Sobrinho, o Boni, que foi durante muitos anos o braço direito de Roberto Marinho. Para acompanhar, destacamos o texto produzido pelo coletivo Intervozes, que oferece uma análise precisa sobre a Rede Globo. Boa leitura!

MANIFESTAÇÃO NO RIO DE JANEIRO
Contra-homenagem à Globo no RJ

MANIFESTAÇÃO EM SÃO PAULO
Anti-celebração na Paulista

ARTIGOS DE ROMÉRO DA COSTA MACHADO
O Império Globo de Crimes
Riocentro e Gasômetro
Operação Bandeirantes
Assaltos a bancos
A falência do Império Globo
A falência do Império Globo II (BNDES)
O escândalo da TV Globo São Paulo
O escândalo do Papatudo
O retrato de Roberto Marinho de Preto e Branco
Nem os anônimos escapam da Globo
O escândalo Proconsult
De ladrão de bancos a ladrão de carros
Central Globo de Boatos
Tribunal de Contas enterra sonho da Globo
Afundação Roberto Marinho
Reflexos do livro Afundação Roberto Marinho
Entre a impunidade e a perseguição
Collor e Roberto Marinho
O supermercado Globo
A garota Rede Globo de programa
Uma novela chamada Chantagem
A vítima da vez
A manipulação da informação
A interferência da Globo na vida das pessoas
A Globo e a exploração de menores
A Globo e o Ibope Fahrenheit
A síntese do Império Globo de Crimes

TEXTO DO COLETIVO INTERVOZES
40 anos de Rede Globo: não há nada para comemorar

Todas as análises


Google

Clique aqui para assinar o nosso jornal impresso


Este site é melhor visualizado na resolução de 800 x 600 pixels.
© 2004 Fazendo Media - por Kzal Design