......................................................... POR UMA CPI NA MÍDIA
A CAIXA-PRETA DAS CAIXAS-PRETAS

 



19.11.2007
SINAIS DE SERVILISMO E MANIPULAÇÃO

Por Maurício Campos (*)

As edições de domingo de O Globo, para as quais são reservadas as reportagens supostamente mais "profundas" e cuidadosas, são uma fonte inesgotável para o estudo do mau jornalismo e da manipulação informativa. Isso vale para todas as editorias do jornal, com certeza, mas tenho dedicado especial atenção às reportagens sobre segurança e violência, devido à minha militância mais focada na Rede contra a Violência atualmente.

A edição de ontem (18/11) traz dois ótimos exemplos desse lixo jornalístico, ambos com chamadas de capa. A primeira, com a chamada sensacionalista "Medo ronda os sinais" acima de uma foto com três jovens flanelinhas (dois deles identificados como "ex-traficante" e "fugitivo da prisão"), discorre sobre uma suposta organização criminosa que estaria por trás dessa imensa população desempregada que enche as ruas buscando alguma sobrevivência no minúsculo comércio informal nos sinais das ruas e avenidas da cidade, ou contando com alguma compaixão da classe média motorizada.

É uma história antiga, quase uma lenda urbana aqui no Rio: "Cuidado, por trás da criança que te pede dinheiro ou vende bala, tem um grupo de adultos criminosos e exploradores!". Isso nunca foi comprovado realmente por nenhuma pesquisa com população de rua, e quem quiser ter uma imagem mais real dessas pessoas pode, por exemplo, procurar o pessoal da revista Ocas (www.ocas.org.br), que trabalha especificamente com essa realidade. A própria reportagem de O Globo nada mais faz que descrever a tosca economia de mercado das ruas e sua competição, com certeza muito menos criminosa, brutal e mortífera que a competição entre essas máfias que são as empresas de aviação no Brasil, por exemplo. Difícil imaginar maior caos econômico que o que ronda aeroportos e aviões por aqui, mas o Globo reserva as pesadas palavras "desordem urbana" para os precários trabalhadores do asfalto...

Mas o pior de tudo na reportagem é mesmo o indigno trabalho de X9 (delator) que o jornal obrigou aos jornalistas autores da matéria fazer, e que rendeu a foto dedo-duro da capa. Um texto em destaque dá o local de trabalho (certo cruzamento na Tijuca) e até o nome completo de um dos jovens, que inocentemente revelou ao repórter que já foi traficante (outro revelou - não tão inocentemente, pois não deu o nome - que é foragido da prisão). Ora, estes jovens estão se esforçando para buscar uma alternativa de sobrevivência fora do pequeno crime (que, em minha opinião, nem deveria ser motivo de prisão), mas a sórdida montagem da reportagem vai levar a polícia a querer "mostrar serviço" com sua brutalidade habitual, e não me surpreenderia se daqui a alguns dias lermos, nessas mesmas tristes páginas, que alguns desses meninos foram presos (ou mesmos mortos). Isso ajudará a sociedade em alguma coisa? Claro que não, mas os histéricos leitores de O Globo com certeza terão seu mórbido desejo de vingança satisfeitos.

Jornalistas do sistema Globo, desde o caso Tim Lopes, queixam-se de que são mal vistos e não conseguem fazer matérias em favelas. Mas nunca vi eles reclamarem dos sujos trabalhos de X9 que seus patrões os obrigam a fazer, em matérias deprimentes como a "Feira da Droga" do Tim ou essa última na edição de ontem (18/11). Pois bem, enquanto não se insurgirem contra isso, tenham certeza que ficarão cada vez mais indesejados pela população marginalizada. Além das favelas, as ruas e cruzamentos agora também serão terrenos perigosos para vocês, jornalistas globais.

A outra reportagem sem noção é a que traz o enganoso título "Polícia revê estratégia na guerra do Alemão" (tem uma versão resumida dela no Globo Online, aqui http://oglobo.globo.com/rio/mat/2007/11/17/327208373.asp). Fala da suposta invasão do Morro do Adeus por traficantes do Morro do Alemão, e das conseqüentes "mudanças" na ação da polícia (e da Força Nacional de Segurança) no Complexo devido a isso. Ora, o Complexo do Alemão está cercado por forças policiais há mais de seis meses, que freqüentemente fazem suas incursões mortíferas nas favelas dali (oficialmente, 60 mortos até agora), e isso foi até agora apresentado pelo governo como uma estratégia eficaz para "sufocar o tráfico". O Adeus fica à distância de atravessar uma rua (a Estrada do Itararé, cujos acessos à favela - todos - estão teoricamente sob vigilância constante da FNS) do Alemão, então se houve mesmo a tal invasão (coisa que não consegui confirmar por outras fontes mais confiáveis que a polícia e o Globo), isso não indicaria um tremendo fracasso dessa estratégia de cerco e confronto?

Essa é a pergunta que os jornalistas não fizeram (ou, se fizeram, a editoria não deixou publicar) ao comandante do 16o BPM, mas é óbvio que DEVERIA ser a principal pergunta a ser feita, se estivéssemos falando de um jornalismo decente, é claro. Ao invés disso, o jornal publica como "nova estratégia" a mesma coisa de sempre: confronto, blindado (agora um trator...), mais polícia e mais tiros. Com direito à mensagem troglodita do coronel Marcus Jardim (o mesmo que deu uma miniatura do blindado ao relator da ONU e bradou: Viva o caveirão!): "2007 será um ano marcado por três pês: Pan, PAC e pau".

A reportagem nem de leve toca no fato das declarações policiais não explicarem nada nem indicarem nenhuma "revisão de estratégia" de fato, simplesmente a reproduzem. Não poderia haver demonstração maior do servilismo do Globo ao Estado (e, em especial, ao aparato policial): é um porta-voz deles, mesmo quando o que transmitem é o nada, o coisa nenhuma, o vazio, a inexistência de informação.

(*) Maurício Campos é integrante da Rede de Comunidades e Movimentos Contra a Violência.


Google

Clique aqui para assinar nosso jornal impresso


Este site é melhor visualizado na resolução de 800 x 600 pixels.
© 2004 Fazendo Media - por Kzal Design